quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Astronautas de Deus

Às vezes me sinto apenas parte
de um gigantesco mecanismo
no mais impecável caos

Astronauta de Deus
enviado para vasculhar o mundo
e nada mais

Esse uniforme hábil foi-me dado
não para destruir
nem impor ordem ao que não tem

Mas para tocar, cheirar, ver e ouvir
Degustar o que só pode ser sentido

E o sentido de tudo será sempre dúvida
no coração de quem ainda se importa
em saber

2 comentários:

Gabildes disse...

Essas são as 'consequências' de quem pessui o bixinho da arte dentro de si. Agora pertence a nós escolher se essas consequências serão boas ou ruins... ;)

Marco A. Dib disse...

Gosto dos seus poemas, meu caro.
Espero que esteja tudo bem contigo!

Abração! ;o)